Aplicações Mobile e sua Utilização no Turismo



Este artigo é a transcrição do Trabalho de Conclusão do Curso de Gestão em Tecnologia da Informação, concluído em Abril de 2017 com título homonimo. Meu objetivo foi mapear e identificar como a teconologia mobile influencia os deslocamentos de turistas em férias e a trabalho, afinal de contas quem trabalha viajando de certa forma faz um turismo acidental, digamos assim. Espero que contribua para um melhor entendimento do uso das novas tecnologias disponíveis. Boa leitura...


Resumo



Os dispositivos móveis estão cada dia mais presentes do que nunca em nossas vidas diárias e, como tal, também se tornaram um fator importante no comportamento moderno de viagens. Neste artigo pretende-se analisar, em particular, a influência destes na experiência de viagem no local em geral. O objetivo deste estudo é identificar como os usuários podem se beneficiar de uma experiência de viagem melhorada utilizando-se de ferramentas disponíveis para aplicações móveis, examinando os padrões de viagens atuais dos viajantes. Como tal, os resultados revelam que os viajantes estão cada vez mais deslocando atividades relacionadas a viagens que costumavam ser realizadas antes, ou depois da viagem, para a fase de experiência, acontecendo durante a viagem. A mudança comportamental dos viajantes que estão habilitados a adquirir informações no local devido ao aumento da conectividade implica um enorme potencial para uma maior experiência de viagem e novos modelos de negócios.



Introdução



O desenvolvimento de aplicativos para dispositivos móveis vem aumentando substancialmente há quase uma década, desde a primeira aparição da primeira loja de aplicativos em julho de 2008 (Apple, 2008). Embora, a evolução dos aplicativos “mobile” tenha contribuído para melhorar a experiência de viagens em geral, sabe-se pouco sobre como afetou a experiência da viagem em si. A questão da “inteligência artificial” é fundamental para obter conhecimentos mais profundos de como os viajantes estão usando seus aplicativos relacionadas a viagens, durante a viagem. Aplicativos podem fornecer informações úteis sobre oportunidades inexploradas para empresas de turismo e outras empresas de atividades relacionadas ao turismo ou, empresas estabelecidas em domicílios/cidades essencialmente turísticas. Contribuindo efetivamente para a solução de problemas de viajantes que não tenham acesso suficiente aos recursos que melhorem suas viagens e experiências em trânsito. Neste artigo pretendo, no decorrer desta dissertação mostrar de forma resumida como acontece esse processo.
A tendência “mobile” na indústria do turismo é enorme, como sugere a pesquisa da Ipsos MediaCT (2014). A pesquisa mostra que os “smartphones” são utilizados durante todo o processo de viagem, quando em lazer 67% e a negócios 78%. Em pesquisa contrata pelo Google, https://www.thinkwithgoogle.com/intl/pt-br/marketing-resources/micro-momentos/2014-travelers-road-to-decision/, podemos encontrar o estudo que reflete a sexta etapa completa dessa pesquisa, a qual podemos ilustrar conforme as cinco etapas da viagem: sonhar, planejar, reservar, experimentar e compartilhar, conforme visualizado na figura 1 abaixo.



Figura 1: As Cinco Etapas da Viagem (Ipsos MediaCT (2014))

O quarto estágio, apresentado neste documento, também conhecido como viagens no local - abrange a jornada real. As características únicas dos dispositivos “mobile” e a sua capacidade de auxiliar os viajantes em qualquer lugar e em qualquer momento (Rasinger, Fuchs e Hopken, 2007 citados em Wang, Park e Fesenmaier, 2012) em qualquer lugar indicam que o papel dos smartphones no processo de viagem é especialmente benéfico no estágio de experiência, dada a conectividade em andamento para dispositivos inteligentes para viajantes, enquanto que no passado eles eram frequentemente isolados de fontes de informação muito necessárias e limitados a guias de viagem impressos e mapas de papel.
Este estágio, no entanto, parece ser hoje apenas parcialmente penetrado por editores de livros de viagens bastante antiquados como o National Geographic, o Lonely Planet, o Marco Polo, que aproveitaram com sucesso o mercado móvel e as startups de início a médio no mundo de aplicativos de guia de viagens móveis, como tripwolf, Triposo e Gogobot. Em contrapartida, as etapas de viagem, como reserva e compartilhamento, têm visto muito mais investimentos nos últimos anos em termos científicos e financeiros, já que as possibilidades de monetização parecem ter sido muito mais rentáveis nessas áreas. Alguns “players” importantes da fase de reservas, como a Expedia e Booking.com (Priceline), expandiram seus serviços da web apenas para fornecer serviços móveis que quase de forma idêntica representam os recursos do seu site, mas permitiram que crescessem exponencialmente no ecossistema móvel. Ao mesmo tempo, o TripAdvisor, o maior site de viagens do mundo e a revisão de usuários locais - a plataforma geradora, também se expandiu fortemente para o setor móvel. Cada um dos quais tem visto o crescimento mais rápido da indústria, como pode ser visto na figura 2, representando seu valor de mercado na Nasdaq em uma escala de quatro anos.



Figura 2: Comparação do valor de estoque Nasdaq - PCLN, TRIP, YELP, EXPE (Nasdaq, 2014)

Os desenvolvimentos recentes na indústria de aplicativos para viagens em dispositivos móveis mostraram que ainda há uma grande lacuna entre as diferentes etapas de viagem, que precisa ser investigada de perto para descobrir as necessidades potenciais dos viajantes e resolver o problema de não cobrir de forma abrangente o ciclo de viagem nos dias de hoje.
Esta tese tem como objetivo encontrar mostrar opções para o problema da indústria do turismo de não possuir produtos e serviços rentáveis que agregam valor à experiência dos viajantes durante sua viagem, identificando suas maiores necessidades e novos desenvolvimentos tecnológicos que afetarão o comportamento de viagens no local e que servem como uma base para futuras melhorias durante a viagem. Isso é feito analisando como os viajantes estão usando aplicativos durante sua viagem e como os principais interessados podem agregar valor à experiência de viagem no local. Além disso, é objetivo desta tese revelar o valor financeiro potencial da referida etapa no ciclo de viagem do turismo para entender melhor as possibilidades descobertas e acelerar desenvolvimentos futuros.
Para responder estas questões, esta pesquisa examina as expectativas dos viajantes em relação aos aplicativos para dispositivos móveis, este estudo também se divide em cinco pontos. O próximo ponto descreve os desenvolvimentos na indústria mobile, para compreender melhor o papel das aplicações mobile no ecossistema de hoje. Além disso, na terceira seção, a aparição de aplicativos nas cinco etapas de viagem - em especial o estágio de experiência - será avaliada para mostrar a situação atual das aplicações em dispositivos móveis para viagem no processo de viagem. O método de pesquisa e a análise de dados são descritos posteriormente na seção, seguido da discussão, elaborando os resultados da pesquisa questionando os viajantes sobre a sua experiência de viagem ideal (móvel) ao mesmo tempo em que se concentra em como a indústria de viagens pode reagir a isso com a ajuda da tecnologia móvel especialista.



Revisão da literatura


1.1 Desenvolvimento e tendências na indústria de aplicativos para dispositivos móveis


As aplicações para dispositivos móveis, frequentemente referidas como “app”, são um tipo de aplicação de software explicitamente desenvolvido para ser executado em um dispositivo móvel, como smartphones ou tablets (Technopedia, n.d.). Tradicionalmente, os aplicativos para dispositivos móveis geralmente refletem serviços similares aos fornecidos em um PC. No entanto, alguns dos aplicativos de maior sucesso são construídos sobre o conceito de usar os recursos exclusivos de dispositivos móveis. Hoje, os dispositivos móveis compartilham uma série de características poderosas, como grandes exibições, acesso à Internet, notificações push relevantes para o contexto, funcionalidades de localização de rastreamento (Want, 2009) e rastreamento de saúde que permitem aos consumidores aprimorar suas atividades diárias. Exemplos notáveis de tais empresas variam de aplicativos de mensagens móveis, como o aplicativo What's App para aplicativos de reserva de última hora como o HotelTonight e serviços baseados em localização, como o Google Maps, que compartilham o conceito de "primeiro celular", o que significa que o produto foi projetado especificamente para uso móvel.
As aplicações móveis foram divulgadas pela primeira vez pela Apple, com a introdução de sua App Store, logo seguida pela Play Store do Google, que oferecem uma loja para os desenvolvedores distribuírem seus softwares aos consumidores desde 2008. Até hoje, tanto a Apple quanto o Google apresentam alguns de 1.2 a 1.3 milhões de aplicativos (Statista, 2013) em suas respectivas lojas de aplicativos acumulando receita total de US $ 26 bilhões em 2013 (Statista, 2013), um número que pode crescer rapidamente nos próximos cinco anos, de acordo com Statista (2013), a maior empresa de estatísticas mundiais da Internet, que prevê ainda que as receitas geradas por celular superem a marca de US $ 75 bilhões em 2017.
Outras empresas de tecnologia notáveis, que acompanharam a ideia de criar um ecossistema de aplicativos em seus dispositivos para seus usuários, incluem Blackberry, Amazon, Samsung, que são lideradas pelo Windows com 300.000 aplicativos, como ilustrado na figura 3 abaixo. Assim, indicando que o mundo móvel está longe de estar saturado e ainda vê um vasto potencial de crescimento no futuro próximo.


Figura 3: Número de aplicativos disponíveis nas principais lojas de aplicativos 2014 (Statista, 2014)

Embora os aplicativos móveis em sua forma original tenham sido projetados para serem executados em dispositivos móveis tradicionais, como smartphones e tablets, os desenvolvimentos recentes na eletrônica de consumo anunciaram a evolução da tecnologia “wearable”, uma indústria que se acredita tornar-se um negócio de US $ 1,6 trilhão no futuro próximo, analistas no relatório Morgan Stanley, segundo Derrick (2014).
A principal característica dos chamados “wearables” é que eles são usados no corpo de um usuário ou estão diretamente ligados ao seu corpo, Derrick explica ainda mais. E, embora os dispositivos portáteis ainda estejam em um estágio inicial, já vimos uma gama bastante diversificada de produtos diferentes. As ideias mais notáveis incluem relógios inteligentes, pulseiras de rastreamento físico e óculos inteligentes.




Figura 4: Apple Watch Sport com aplicativos exibidos (Apple, 2017)


Tais dispositivos, como se vê na figura 4 (Apple, 2017), exibindo o Apple Watch, compartilham a mesma ideia fundamental que smartphones e tablets, o que significa que eles executam aplicativos móveis, porém, em funcionalidades limitadas, para melhorar os hábitos e os desafios de todos os dias dos seus usuários.
Em suma, os dispositivos móveis com seus aplicativos tornaram-se uma parte muito integrada de nossas vidas e hábitos de todos os dias, em média os usuários de smartphones no Brasil gastam mais de 3(três) horas por dia, conforme revista Exame.

“O brasileiro passa em média 3h14 por dia conectado com o celular, segundo indica pesquisa da associação de marketing móvel
MMA realizada pela Millward Brown Brasil e NetQuest e divulgada nesta quinta, 15. Considerando apenas os jovens da geração
millenials, a média é de 4h por dia conectado à Internet em um aparelho móvel.

Com destaque, atividades como fazer chamadas (89%), navegar na Internet (87%), acessar emails (85%) e mecanismos de buscas
(71%). A pesquisa foi realizada com 1,2 mil pessoas de 14 a 55 anos.

Cresceu a propensão a clicar em publicidade online, segundo a MMA. Neste ano, 32% afirmavam não clicar em nenhuma propaganda,
contra 41% em 2015. No período, o YouTube ultrapassou o Facebook como rede com mais visibilidade da publicidade.

Para millenials, 22% davam atenção à publicidade na Internet, contra 30% no ano anterior. A parcela que sempre dá atenção à
publicidade subiu de 9% para 13%. A pesquisa indica também que quatro em dez usuários já efetuam compras de produtos e serviços
via aplicativos, como roupas, taxis e ingressos.

O uso de aplicativos cresceu, segundo a entidade. Em 2016, os brasileiros usam em média oito apps por semana, contra seis no
ano passado. A maioria (83%) afirmou fazer download de novos programas, e 34% contam com até dez apps em seus aparelhos.

https://exame.abril.com.br/tecnologia/brasileiro-usa-celular-por-mais-de-tres-horas-por-dia.

1.2 Relação com a hospitalidade e o turismo

Seguindo esse pensamento, um estudo de turismo argumenta que os smartphones desempenham um papel importante na mediação da experiência turística (Wang, Park e Fesenmaier, 2012). Isso resulta em uma diferenciação menos distinta entre viagens e vida cotidiana, uma vez que as atividades relacionadas a viagens, que vão de se inspirar em uma página de redes sociais para verificar as taxas de voo em qualquer lugar, ficaram diretamente disponíveis sem quaisquer barreiras físicas aos consumidores finais. Como tal, argumenta-se que a integração dos smartphones nos hábitos diários produziu efeitos de derrames e, consequentemente, influenciou o comportamento moderno de viagem (Wang, Xiang e Fesenmaier, 2014), tornando as atividades relacionadas a viagens uma parte mais integrada dos hábitos cotidianos e, portanto, base para usuários ativamente usando aplicativos de viagem durante o processo de viagem encenado.
O próprio raciocínio de que a viagem não pode mais ser vista como algo completamente separado da vida cotidiana, graças ao uso de smartphones levando-nos a quebrar barreiras, também pode ser aplicado a diferentes estágios não relacionados com viagens da vida de uma pessoa. O Oxford Dictionary (nd) define a vida diária como "As atividades e experiências que constituem a existência normal de uma pessoa" e, enquanto as rotinas podem diferir de pessoa para pessoa, muitas vezes envolvem atividades semelhantes, como levantar-se da cama, tomar café da manhã e sair para o trabalho ou escola (e muito mais). No mundo móvel, as aplicações são tradicionalmente agrupadas em diferentes categorias, tornando mais fácil para os usuários identificar seu uso mais amplo e determinar qual atividade da pessoa o aplicativo pode ter um bom aproveitamento (ou seja, um aplicativo de alarme para se levantar, um aplicativo de receita de alimentos para um café da manhã saudável, checar os horários de chegada do ônibus através do aplicativo). Enquanto os nomes dessas categorias diferem ligeiramente da plataforma (Apple) para a plataforma (Android), a idéia geral permanece a mesma.
Logicamente, o dia de uma pessoa só pode permitir prestar atenção e usar ativamente um número limitado de aplicativos durante o dia. Dada a ampla gama de diferentes aplicativos na indústria de aplicativos móveis, para o qual as aplicações de viagem estão competindo em termos de consumo de tempo, é crucial identificar a relevância de aplicativos relacionados à viagem na relatividade para o setor global de aplicativos para obter uma melhor compreensão da importância das aplicações para o ecossistema móvel e, consequentemente, para os consumidores finais.
Para isso, o número de aplicativos disponíveis por categoria pode ser dividido. A Figura 5 (Statista, 2015) mostra um ranking das categorias da loja de aplicativos com base no compartilhamento de aplicativos ativos disponíveis.



Figura 5: Categorias de lojas de aplicativos mais populares 2015 por compartilhamento de aplicativos disponíveis (Statista, 2015)

Dado que o número total de aplicativos disponíveis por plataforma foi identificado, pode-se concluir que cerca de 60.000 aplicativos relacionados a viagens estão atualmente ativos em cada uma das lojas de aplicativos respectivas, representando 4,61% de todas as categorias e fazendo da viagem, a sétima divisão de loja de aplicativos mais relevante.
A indústria de viagens móveis é, tanto quanto fora do ecossistema do aplicativo, o lar de uma gama muito diversificada de “players” especializados que vão desde aplicativos para reservar um voo ou quarto de hotel, planejar uma viagem ou usar navegação baseada em GPS e, muito mais, para ajudar os viajantes em aspectos muito diferentes. Neste ponto, o pensamento anterior sobre os aplicativos de viagem que competem contra outras categorias de aplicativos em termos de uso do aplicativo será novamente recuperado no contexto da redução da categoria de viagem do aplicativo em cinco etapas diferentes para eventualmente identificar as aplicações de viagem móvel nas respectivas divisões e como elas influenciam o comportamento de viagem dos usuários.
A Figura 6 representa uma visão geral das subcategorias do ciclo de viagem, para mostrar em qual das cinco etapas de viagem, adaptadas do Ipsos MediaCT (2014), as aplicações móveis estão sendo usadas mais utilizadas. Identificar os aplicativos móveis mais importantes envolvidos nas várias etapas da viagem é crucial para avaliar o papel dos dispositivos moveis durante a experiência de viagem no local e, como as empresas que originalmente se concentraram em um estágio diferente, podem expandir sua linha de recursos para estendermos as oportunidades inexploradas.



Figura 6: Ações através de aplicativos nas cinco etapas da viagem (Adaptado do Ipsos MediaCT (2014))

Partindo do pressuposto do primeiro estágio, o estágio dos sonhos, os viajantes utilizaram diferentes fontes para inspi¬¬¬rar-se antes da era do smartphone e, hoje apenas mudou esse comportamento - muitas vezes sob a forma de navegar por blogs, revisar e procurar conselhos de amigos e parentes através de mídias sociais ou serviços de mensagens - para acessar essas informações em dispositivos portáteis.
Drew Meyers (2013), fundador da OhHeyWorld, um site dedicado a conectar pessoas com amigos enquanto viaja, descreve em uma postagem de blog convidado na Tnooz como a inspiração de viagens é principalmente proveniente de conversas com companheiros de viagem pessoais confiáveis, muitas vezes em plataformas de mensagens como o Skype ou Whatsapp. E enquanto o artigo de Meyers é principalmente uma peça subjetiva, essas observações estão sendo aprimoradas em um tópico Quora intitulado: De onde você obtém sua inspiração de viagem? pela participação coletiva de Joss, Choudary e Shumaker (2012), o que indica que a inspiração dos viajantes reais pode ser acessada através de vários outros canais além de apenas aplicativos de mensagens. Tais como, plataformas de redes sociais: Facebook, Pinterest ou plataformas dedicadas especificamente a conteúdos de viagens como, comentários no TripAdvisor ou histórias pessoais sobre blogs de viagem. Ao classificar os aplicativos mais inspiradores em diferentes categorias com base em dados publicamente disponíveis na plataforma de análise de aplicativo móvel, App Annie (2015) conforme representado abaixo na tabela 1, pode-se ver claramente que as plataformas mais importantes não estão necessariamente focadas na viagem. Os aplicativos representados neste e qualquer uma das seguintes tabelas que representam os dados da App Annie não são exibidos em uma ordem específica.


Tabela 1: Aplicativos na fase de sonhos (tabela criada com base em estatísticas da loja Annie App Dados, 2015, usando categorias personalizadas de viagens inspiradoras e aplicativos sociais)

# Objetivo Tipo App Nome App
1 Opinião Viagem TripAdvisor
2 Experiência Viagem Blog´s
3 Experiência Mídia Social Facebook
4 Fotos Mídia Social Instagram
5 Fotos Mídia Social Pinterest
6 Mensagem Mídia Social WhatsApp
7 Mensagem Mídia Social Skype

Por conseguinte, pode-se concluir que o estágio inspirador ainda está bastante fragmentado, principalmente sujeito a interações sociais e apenas de propriedade muito limitada de marcas de viagem.
O planejamento, o segundo estágio, está estreitamente interligado tanto com o estágio de sonhos (primeiro) quanto com o estágio de reserva (terceiro), pois é baseado na inspiração inicialmente encontrada no estágio anterior e, além disso, estabelece as bases para as ações atuais, o mais importante a reserva de transporte e alojamento, o que acontece na fase de reserva.
Na sua forma original, as férias foram muitas vezes planejadas com a ajuda de livros de viagem, impressos e agências de viagens, que consultaram potenciais viajantes sobre onde ir e o que fazer. Hoje, o interesse que já foi retirado de críticas escritas pessoalmente, como o TripAdvisor ou a Yelp, também serve como uma base sólida para que as decisões sejam tomadas em termos de planejamento. Este é especialmente o caso quando se considera acomodação, restaurantes, passeios e atividades, de acordo com uma pesquisa realizada com os usuários do TripAdvisor (Gretzel, Yoo e Purifoy, 2007). Além disso, o ramo das guias de viagens digitais substitui a versão impressa antiga de guias de marcas como Lonely Planet, Fodor, Marco Polo e muito mais que moldaram a experiência de viagem no passado. Wang, Xiang e Fesenmaier (2014) argumentam que o uso de smartphones e tablets tornou-se uma parte tão integrada de nossa vida cotidiana que é natural que o planejamento de viagens também se deslocou para o celular e de fato desenvolvido para ser muito mais incorporado nos hábitos diários, como pesquisando coisas para fazer em um tablet em uma tarde de domingo em casa ou checando taxas de vôo enquanto espera pelo ônibus.
Contrariamente ao primeiro estágio, a fase de planejamento está sendo dominada por aplicativos categorizados de forma explícita. Ao examinar mais detalhadamente os desenvolvedores mais relevantes no referido campo ao analisar os aplicativos de planejamento de viagem da categoria da loja de aplicativos de viagem (App Annie, 2015), revela uma seleção de aplicativos bastante homogêneos. A lista de aplicações de viagem relevantes, conforme visto em detalhes na tabela 2, pode ser dividida em três principais divisões e funções: avaliações de usuários para restaurantes, hotéis e outros, planejamento de itinerário com conteúdo de viagens de editores e outras fontes e, finalmente, inteligentes - Lista de aplicações utilizadas para embalagem de bagagem.


Tabela 2: Aplicativos no estágio de planejamento (Tabela criada com base nos dados das estatísticas da loja Annie Store, 2015, usando uma categoria personalizada de aplicativos de planejamento de viagens)

# Objetivo Tipo App Nome App
1 Opinião Viagem TripAdvisor
2 Opinião Viagem Blog´s
3 Conteúdo Viagem Facebook
4 Conteúdo Viagem Instagram
5 Conteúdo Viagem Pinterest
6 Conteúdo Viagem WhatsApp
7 Lista Planejamento Viagem Skype

A fase de planejamento é seguida pela fase de reserva, o que é essencial quando se trata de avaliar como a principal participação da receita é gerada na indústria de viagens digitais. Na verdade, a maioria do que vemos hoje no setor de reservas on-line remonta ao final da década de 1990 e início dos anos 2000, quando os gigantes da Internet, como a Expedia e a Priceline, evoluíram na área de vendas e distribuição das viagens on-line (Joyce, 2012).
A fase de reservas on-line hoje é constituída principalmente de quatro marcas principais, Expedia, Priceline, Orbitz Worldwide e Travelocity, que representam 95% das reservas on-line nos EUA, o maior mercado online global, de acordo com um artigo da Forbes (Trevis, 2014) . Os rivais europeus, como Booking.com e grandes empresas de pesquisa de viagens como o Kayak, estendem a lista de jogadores globais. Além disso, as reservas diretas das cadeias hoteleiras e das principais companhias aéreas contribuem para a geração global de receita das empresas de viagens on-line. A única característica homogênea que todas as empresas acima mencionadas compartilham é que suas aplicações móveis não mostram nenhum elemento novo nem revolucionário, mas sim são replicações de sua presença na web existente, sem necessariamente fazer uso das características exclusivas dos dispositivos móveis. As empresas de arranque de viagens, no entanto, conseguiram expandir significativamente em um mercado altamente competitivo, fazendo uso de uma primeira experiência móvel e construindo seus produtos unicamente com o propósito de usuários acessarem-na por meio de dispositivos móveis.
Um exemplo excepcional é o HotelTonight, o aplicativo de reserva hoteleira de última hora que está sendo tratado como a próxima empresa de reserva online de bilhões de dólares (O'Neill, 2014), que construiu sua base em uma participação de 30% nas reservas de viagens móveis previstas até 2017 (The Economist , 2014). O aplicativo, por exemplo, faz uso da função GPS do smartphone, oferecendo tarifas de quarto do mesmo dia com alta velocidade, analisando a localização do telefone e fornecendo os melhores quartos de preços em uma certa proximidade, permitindo que os consumidores finais tenham acesso a estabelecimentos de classe alta a preços acessíveis preços e hotéis para vender inventário que de outra forma não teria sido vendido.
Ao ver que as plataformas de reservas de hotéis, como o HotelTonight, estão direcionadas a usuários que já estão no destino, a fase de reserva já está combinando com a quarta etapa, experiência, indicando assim que a experiência de viagem moderna pode ser menos vista em estágios separados por firmas, mas está sujeita a transições cada vez mais borradas entre as etapas de viagem.
Isso, no entanto, apenas representa uma minoria, como pode ser visto, olhando para os aplicativos de reservas mais bem classificados nas lojas de aplicativos (App Annie, 2015), conforme visto na tabela 3 abaixo.


Tabela 3: Aplicativos na fase de reserva (Tabela criada com base em dados da aplicação Annie Store Stats, 2015, usando uma categoria personalizada de aplicativos de reservas de viagens)

# Objetivo Tipo App Nome App
1 Site Reservas Viagem Agency Expedia
2 Site Reservas Viagem Agency Priceline
3 Site Reservas Viagem Agency Travelcity
4 Site Reservas Viagem Agency Orbitz
5 CSite Reservas Viagem Agency Hotwire
6 Site Reservas Viagem Agency Hoteis.com
7 Site Reservas Viagem Agency Booking.com
8 Site de busca Viagem Kaiak
9 Site de busca Viagem Trivago
10 Aluguel de Carros Viagem Hertz
11 Reservas Turismo e Entretenimento Viagem Viator
12 Reservas de Voos Viagem United Airlines
13 Reservas de Voos Viagem IHG Hotels
14 Reservas de Voos Viagem Marriot International
15 Reservas de Hotel Ultima Hora Viagem Hotel Tonight
16 Reservas de Acomodações Viagem Airbnb
17 Reservas de Acomodações Viagem HomeAway

Vale ressaltar que o número de aplicativos relacionados à reserva representa uma maioria esmagadora na categoria de lojas de aplicativos de viagens mais vendidas, o que indica um domínio em termos de receita e rentabilidade brutas em relação aos outros estágios de viagem conforme mencionado na declaração de problema deste artigo antes . Além disso, semelhante ao estágio 2, todas as empresas listadas são apenas classificadas como aplicações de viagem, ao contrário da primeira etapa em que as aplicações sociais onde o cluster primário.
A etapa de experiência, aqui também referida como viagens no local, representa o ponto no ciclo de viagem depois que o viajante realizou todas as ações nos três primeiros estágios e, na verdade, terminou toda a sua preparação, o que significa que ele se inspirou para viajar, tendo planejado sobre como gastar tempo ativamente durante a viagem e eventualmente selar o negócio, reservando seus meios de transporte e acomodação preferidos. Neste ponto, o viajante está realmente pronto para viajar. A experiência de viagem, de fato, é mais do que isso, aparentemente, tudo de sonhar para compartilhar. Nesta fase, o elemento essencial da experiência de viagem está acontecendo. A experiência pode ocorrer em diferentes formas, começando a sair do apartamento, usando o transporte, por exemplo, na forma de um vôo, até o check-in no hotel reservado. No local, neste contexto, é definido como estar no destino de viagem destinada. Para uma viagem a uma cidade isso pode significar que a experiência no local começa no momento em que o viajante sai do seu apartamento e começa sua jornada.
Neste ponto do processo de viagem, o conjunto de recursos únicos de dispositivos móveis tem um impacto significativamente maior na experiência do que durante as outras etapas de viagem, onde muitas vezes a característica mais forte do uso do aplicativo móvel versus não móvel é a mobilidade. A mobilidade significa que a inspiração pode ser procurada enquanto está sentado no ônibus em vez de ficar em casa na frente do laptop ou planejamento de viagem com a ajuda de um tablet no sofá em uma tarde de domingo, em vez de ir a uma agência de viagens. Isso faz uso do fato de que um usuário não está mais limitado a limitações físicas, como a localização. Na fase de experiência, no entanto, dois fatores adicionais entram em jogo, o que promove a experiência de viagem: conectividade e funções de localização cientes.
O argumento da conexão contínua com as tecnologias da informação através do acesso à Internet é, de fato, verdadeiro para ambos, vida diária e viagens. E, embora as pessoas geralmente estejam bem conectadas com seus amigos, famílias e ambientes familiares em suas vidas diárias, no passado, no exterior, muitas vezes significava ter acesso muito limitado a notícias, comunicação e outras interações sociais. Estudos de turismo mostraram que uma grande parte do comportamento de viagem moderno inclui que os hábitos diários estão sendo continuados durante as viagens (Wang, Xiang e Fesenmaier, 2014). Os aplicativos usados neste contexto muitas vezes compartilham apenas algumas características com aplicativos de viagem e são classificados em categorias de aplicativos todos os dias, como comunicação (mensagens), redes sociais (Facebook) e jogos. Wang, Xiang e Fesenmaier (2014) argumentam ainda em seu estudo que a aquisição de informações através de dispositivos móveis está sendo usada em mais um contexto de viagem - propósito relevante, como verificar o status do vôo e pesquisar restaurantes em a cidade, o que eventualmente resulta em viajantes se sentindo mais flexíveis durante sua jornada, exigindo menos tempo de planejamento prévio e, em geral, desfrutando de uma experiência de viagem mais informativa. O driver da conectividade que habilita essas atividades é ter acesso à internet. Os dispositivos móveis estão amplamente equipados com redes de telecomunicações 3G, conforme ilustrado na figura 7, que fornece aos consumidores finais acesso à Internet.


Figura 7: Conexão à Internet 3G em um dispositivo Tablet (Origem: fonte própria)

Enquanto no passado, muitas vezes desacreditados por seus altos custos, hoje quase todas as principais operadoras de telefonia móvel, como a T-Mobile e a AT & T, estão oferecendo pacotes de roaming de dados personalizados projetados especificamente para atender às necessidades dos viajantes (Nickinson, 2014). Isto, juntamente com a queda dos preços de roaming de dados (Essers, 2014), está impulsionando a tendência de liberar a capacidade total dos dispositivos móveis durante a experiência de viagem.
De fato, a aquisição de informações vai além de usar a Internet para acessar os dados disponíveis no local, mas faz uso de outro elemento: serviços baseados em localização. O argumento dominante de viajar na maioria dos casos vai de mãos dadas com a exploração de território ainda desconhecido e, conseqüentemente, coloca o desafio de encontrar a localização destinada e, ao mesmo tempo, não querer perder os possíveis eventos interessantes em um novo destino. Graças à função de sistema de posicionamento global integrado (GPS) em dispositivos móveis como smartphones, tablets e relógios inteligentes, as aplicações podem identificar a localização do usuário e responder com informações relevantes para o contexto. Os aplicativos móveis podem fazer uso desse recurso de várias maneiras; um caso de uso distinto está sendo apresentado pelos serviços de navegação e mapeamento, como se vê na figura 8. Um ambiente de mapa digital típico consiste no mapa real (cidade), pontos de interesse (atrações, restaurantes, etc.) e muitas vezes é aprimorado em aplicativos para dispositivos móveis com a localização GPS do dispositivo, dando-lhe o seu valor agregado real. Além disso, os serviços podem oferecer roteamento, permitindo ao usuário navegar inteligentemente para a localização destinada por diferentes meios de transporte (a pé, transporte público e carro). Esses recursos do mapa podem ser encontrados em aplicativos de propósito único, uma tendência cada vez mais popular no ecossistema móvel, argumentando que a própria natureza do uso de aplicativos móveis reside no acesso rápido aos seus recursos principais, sem recursos desnecessários que enfram o foco e levam a tempos de carregamento mais longos ( Constine, 2014). Um exemplo infame disso é a desagregação dos recursos do Facebook ao remover a função de mensagens do aplicativo do Facebook e criar um aplicativo de mensagens separado em 2014. Apesar do clamor precoce dos usuários do Facebook, o aplicativo de mensagens hoje é um dos mais usados em todo o mundo (Frommer , 2014) e os usuários parecem ter amplamente aceito e aprendeu o benefício de um aplicativo focado em slim core. Por outro lado, os recursos do mapa geralmente são incluídos em aplicativos relacionados a viagens para ajudar a orientar-se ou fornecer orientação visual. Este último pode ser visto frequentemente em aplicações de reserva hoteleira, onde os usuários estão sendo oferecidos para localizar hotéis em um mapa e escolheu-os com base em suas preferências de localização. Por exemplo, um usuário preferiria ficar em um hotel ao lado da água no lado leste da cidade e, portanto, usar o mapa para reduzir as opções de hotéis que compartilham essas características. O outro caso de uso mencionado é ter serviços de mapas integrados como recursos de navegação em aplicativos multifunções, que muitas vezes podem ser observados em aplicativos de guia de viagem.
O próprio aplicativo móvel atua principalmente como um provedor de informações relacionadas a viagens, semelhante aos guias impressos, mas enriquece essas informações com recursos dinâmicos que ajudam a se diferenciar de suas equivalentes impressas tradicionais. Como tal, um guia de viagem móvel, como o guia ou a Triposo pode permitir que os usuários criem um itinerário que consista em pontos de interesse (POIs) antes da viagem na fase de planejamento e, em seguida, exibindo-os no mapa enquanto estiverem no destino para navegar facilmente para cada um dos POIs.


Figura 8: Tableta com Notificação Push (esquerda) e Mapa com Pontos - de Interesse (à direita), aplicação Afeganistão. (Fonte: Fonte própria)

Além de visualizar coordenadas geográficas em mapas, os desenvolvimentos recentes em aplicativos para dispositivos móveis enfatizam a comunicação pró-ativa. Na verdade, isso inclui aplicativos móveis que enviam recomendações na forma de notificações push, como ilustrado na figura 8, sobre POIs próximos com base na localização e preferências dos usuários (Tussyadiah e Wang, 2014). Dependendo do sistema, um usuário pode, teoricamente, ter o poder de definir quando e como ele será notificado com base em determinados parâmetros, por exemplo "Apenas me avise sobre POIs que adicionei ao meu itinerário e que estão localizados em um raio aproximado de 50 metros em torno de mim ", para que o usuário mantenha o controle total sobre sua experiência de viagem. Tussyadiah e Wang (2014) indicam ainda que o nível a que os usuários adotam para enviar notificações depende muito da quantidade de confiança que os usuários consagram em seus aplicativos. Este fator certamente se aplica a aplicativos que originaram seu uso em uma fase de viagem anterior, como planejar obter uma vantagem competitiva em termos de uso (desde que a experiência tenha sido positiva), já que o usuário já interagiu com o aplicativo antes do estágio de experiência e, portanto, teve mais tempo para desenvolver uma relação de confiança com a aplicação.
Neste ponto, os dispositivos móveis estão substituindo as ferramentas de viagem tradicionais, como mapas impressos e guias usados para pesquisa e navegação de informações. Além disso, as recomendações de empurrão aliviam parcialmente o viajante de realizar tarefas manuais (Tussyadiah e Wang, 2014), como verificar o mapa e a localização do usuário de forma contínua, informando automaticamente o usuário sobre informações relevantes. Além disso, sem a mensagem personalizada do aplicativo em certos casos de uso, o usuário pode ter perdido uma determinada experiência e, portanto, teve sua experiência de viagem enriquecida graças à entrada do aplicativo. Outros estudos indicam que a busca de informações melhoradas para restaurantes, atrações, atrações e outros POIs no local leva a uma experiência de viagem mais confiável (Wang, Xiang e Fesenmaier 2012) e, portanto, uma viagem geral bem percebida. Em resumo, a aquisição de informações no local em suas várias formas móveis prova fornecer algumas novas características muito excitantes, que ainda estão em um processo em evolução que promete mais no futuro próximo.
Embora beneficiar de uma experiência in loco mais informada e interativa, certamente agrega valor ao ciclo de vida de uma jornada, as possibilidades de monetização na sua forma básica são bastante limitadas. Em geral, a estratégia de monetização dos aplicativos móveis engloba dois principais pilares: publicidade móvel e compras no aplicativo (IAP). O último refere-se a permitir aos desenvolvedores ter determinados recursos ou conteúdo a serem desbloqueados através de um IAP. No entanto, o crescente fenômeno de ter acesso gratuito ao público e, muitas vezes, conteúdo agregado da comunidade, como na Wikipédia, Yelp e no TripAdvisor, juntamente com as expectativas cada vez maiores dos usuários em relação aos serviços on-line para serem livres (Dredge, 2014), representa sérios desafios para aplicativos relacionados a viagens focados na etapa de experiência. Outra possibilidade seria exibir publicidade móvel, muitas vezes sob a forma de banners, embora na maioria dos casos não seja visto como um modelo viável de negócios de longo prazo e, muitas vezes, apenas usado de forma complementar.
Em resumo, os guias de destino no local e os aplicativos do mapa adicionam recursos valiosos e c para a experiência de viagem, mas ainda não possuem um fluxo de receita sustentável por conta própria. Em contraste com este argumento, a tendência emergente dos serviços instantâneos sob demanda em todas as indústrias verticais, incluindo viagens e transportes. Acima de tudo, esse segmento é moldado pela própria característica central de obter acesso a um determinado tipo de serviço da maneira mais rápida possível. O ritmo com que essas empresas ganham força prova as necessidades ainda não atendidas neste campo, levando a empresas como a aplicação de carros Uber a serem avaliadas como a segunda empresa mais valiosa em todo o mundo em US $ 41,2 bilhões (Kim e Rosoff, 2015) . De fato, um novo movimento informalmente rotulado como Uber for X vem emergindo, explorando novas oportunidades de segmentos inexplorados além do transporte ao longo de outras horizontais, como serviços de limpeza sob demanda, mordomos de serviço completo sob medida e muitos mais. Da mesma forma, as empresas de reservas hoteleiras evoluíram recentemente em um ambiente similar. Os nomes notáveis incluem o hotel de última hora - o aplicativo de reserva do Hotel Booking e Booking Now da Booking Now. E, embora o foco em ofertas de última hora geralmente se baseie nos preços atrativamente baixos devido à venda de quartos de hotel não vendidos, os quais de outra forma não teriam sido vendidos, pode-se ver claramente que o centro de atenção em termos de comunicação para consumidores finais de ambas as empresas está sendo empurrado para a simplicidade e velocidade (ou seja, "Seu quarto de hotel, apenas duas torneiras de distância"). Para os provedores de alojamento como hotéis e albergues, o jogo é bastante simples. Eles estão lidando com um produto perecível, assim, uma noite não vendida representa perda de renda (Werthner e Ricci, 2004) que já não podem ser recuperados. Logicamente, faz sentido passar em salas não vendidas de último minuto para intermediários como HotelTonight ou Booking Now, que os distribuirão aos consumidores a preços mais baixos, dado que os hotéis ainda preferem vender em uma margem menor para, pelo menos, cobrir os custos fixos em vez de lidando com uma baixa taxa de ocupação. De fato, a plataforma de aluguel de apartamentos Airbnb, valorizada como a oitava maior start-up do mundo (Kim e Rosoff, 2015), ampliou recentemente a reserva horizontal, tocando também no jogo de reserva de última hora (Airbnb, 2014), provando que esta é definitivamente uma tendência crescente na indústria do turismo, o que é especialmente crítico quando se considera que o transporte e a acomodação contam a quarta e a primeira contas de despesas mais altas de viajantes da cidade em capitais turísticos como a cidade de Nova York (Shankman , 2013). Em suma, os serviços on-demand (turísticos) revelam-se de grande importância no campo de reserva muito competitivo, com dois dos dez dos mais valiosos start-ups que tocam neste ramo. De fato, o movimento para reserva de última hora no local indica uma forte mudança de comportamento de viagem e um desfocamento das separações entre a reserva e a fase de experiência. Para os consumidores finais, isso significa mais flexibilidade em termos de seu comportamento de reserva e maior empoderamento para tomar decisões de reserva mais relevantes devido à proximidade imediata, tanto no tempo quanto na localização. Levando em consideração os serviços on-demand utilizados em transporte e acomodação e aplicando-o a outros casos de uso potencial na experiência de viagem no local, guias de viagem e mapas podem ampliar seus principais fatores de receita de IAP e publicidade para uma terceira fonte de monetização, como ilustrado na figura 9, integrando ainda mais parceiros afiliados na fase de experiência e aproveitando as possibilidades de alcançar o usuário com informações relevantes para o contexto durante a jornada. Os parceiros afiliados podem incluir todos os serviços suplementares que possam ter sentido para o consumidor final e servem de trampolim para novos subornos. Para guias de viagem e mapas, isso pode abranger motores de reservas de hotéis e vôos, serviços de aluguel de carros e distribuidores de ingressos.




Figura 9: Fontes de receita móvel de guias de viagem e mapas (Fonte: fonte própria)

Por conseguinte, argumenta-se que, se o acesso adicional a informações relevantes ao contexto e a comunicação pró-ativa através de dispositivos móveis pode desencadear nova notificação curta, decisões do site dos viajantes, como fazer uma parada em um determinado POI porque o aplicativo informa o usuário sobre a notificação via push, então é provável que o mesmo argumento também se aplique às escolhas relacionadas à compra. Além de ser informado de que uma visão, por exemplo, a Sagrada Família em Barcelona, está localizada ao lado da localização do viajante, o usuário também pode ser educado sobre o fato de ele poder comprar instantaneamente um passaporte na linha seu dispositivo móvel. Provavelmente, isso é algo que o usuário potencialmente não teria tido conhecimento do contrário e, portanto, não teria gastado dinheiro. Além disso, dado que o usuário já estabeleceu um certo vínculo de confiança com o aplicativo móvel - uma vez que ele confia o aplicativo para guiá-lo através de um destino desconhecido - o viajante pode estar mais pronto para fazer negócios com uma loja de bilhetes local , que ele acabou de encontrar e não teve relação com antes.
Em resumo, a tendência para a evolução tecnológica e econômica no estágio de experiência está à beira da inovação à medida que as empresas pululam neste ramo, o que parece despertar enormes oportunidades inexploradas com serviços sob demanda, dado o impacto global que causaram e o alto nível de confiança que os investidores estão colocando neles. Ao contrário do desenvolvimento de serviços turisticos sob demanda, guias de viagens móveis, aplicativos de mapas e outros produtos relacionados à aquisição de informações parecem estar evoluindo gradualmente de guias e mapas de impressão antiquados em vez de perturbar a indústria de viagens e apenas lentamente integrar novas estratégias de monetização. Além disso, ao investigar a lista de aplicativos relevantes na fase de experiência, pode-se ver que, pela primeira vez no ciclo de viagem, existem inúmeros aplicativos que aparecem pela segunda vez em um estágio. Exemplos disso são aplicativos de guia de viagens móveis, como o tripwolf ou o Triposo, que já estavam representados no estágio de viagem e empresas como o HotelTonight da fase de reserva.


Tabela 4: Aplicativos relevantes no estágio de experiência (Tabela criada com base em dados de estatísticas da aplicação Annie Store, 2015, usando uma categoria personalizada de aplicativos de experiência em viagens)

# Objetivo Tipo App Nome App
1 Transporte sob Demanda Viagem Uber
2 Transporte sob Demanda Viagem Lyft
3 Transporte sob Demanda Viagem MyTaxi
4 Reservas última Hora Viagem Booking Now
5 Reservas última Hora Viagem HotelTonight
6 Reservas de Acomodações Viagem Airbnb
7 Guia de Viagem Móvel Viagem TripWolf
8 Guia de Viagem Móvel Viagem Gogobot
9 Guia de Viagem Móvel Viagem Triposo
10 Mapas Móveis Viagem CityMaps2Go
11 Mapas Móveis Viagem MAPS.ME
12 Reservas Turismo/Entretenimento Viagem Viator
13 Reservas Turismo/Entretenimento Viagem GetYourGide
14 Guia Transporte Público Viagem Citymapper

Isso indica, como brevemente abordado anteriormente, a desfocagem de linhas de separação entre as diferentes etapas de viagem devido à mediação através do uso de smartphones.
Na fase final, a fase de compartilhamento, os usuários estão refletindo sobre suas experiências realizadas através dos diferentes ciclos de viagem, geralmente com foco pesado na fase de experiência. Tradicionalmente, o comportamento pós-viagem foi cunhado através de comunicações através das quais os viajantes estavam compartilhando suas impressões. Esses meios geralmente incluem cartões postais, cartas, chamadas telefônicas, apresentações de slides e boca-a-boca. No entanto, com a evolução do compartilhamento da Internet tornou-se mais fácil e mais dinâmico, eventualmente ainda mais anônimo à medida que surgiram as plataformas sociais e facilitando o compartilhamento de informações dos amigos internos e do círculo familiar para compartilhar abertamente com toda a comunidade. Neste ponto, as revisões dos consumidores estavam aparecendo em todas as diferentes verticais que vão do e-commerce (Amazon e eBay) para viajar (TripAdvisor e Yelp). Importante, as revisões nunca foram limitadas apenas às experiências, mas poderiam abranger qualquer coisa, desde a revisão das características físicas de um produto (Amazon), a confiabilidade de um vendedor ou comprador (eBay) até a qualidade emocionalmente percebida de uma estadia no hotel (TripAdvisor). Na verdade, não é incomum, especialmente no turismo, que uma revisão consiste em uma combinação de atributos físicos e emocionais. Um exemplo (artificial) poderia ser o seguinte: "O recepcionista foi muito bom e recomendou um excelente restaurante nas proximidades. Infelizmente, tivemos que encontrar chinelos no nosso quarto depois de voltar para casa da nossa noite. "No exemplo acima mencionado, o revisor indica que percebeu que o recepcionista era amigável, claramente uma resposta emocional e mais recursos para as habilidades suaves da mesma pessoa em relação ao conhecimento aprofundado sobre restaurantes locais. Por último, o estado físico da cama está sendo questionado.
Hoje, as revisões on-line ainda são a primeira coisa que chega à mente de uma pessoa ao considerar a fase de compartilhamento no ciclo de vida da viagem, no entanto, os recentes desenvolvimentos tecnológicos e comportamentais, especialmente na geração x e na geração milenar, estão indicando uma mudança significativa no turismo - comportamento de compartilhamento relacionado. Como tal, argumenta-se que o crescente número de meios de comunicação social e serviços de mensagens em tempo real, um fenômeno quase que exclusivo no celular, influenciam fortemente o moderno padrão de viagem atual. O compartilhamento de redes sociais e mensagens em particular podem ser divididos em quatro principais pontos de contato: texto, vídeo, imagem e compartilhamento de localização, todos os quais compartilham a mesma característica fundamental de ser altamente dinâmico, ocorrendo principalmente no local e freqüentemente se concentrando em aspectos emocionais só. De fato, a diferenciação entre conteúdo estático e dinâmico neste contexto é essencial, pois ajuda a diferenciar o uso de informações compartilhadas nas várias etapas de viagem. O conteúdo compartilhado estáticamente aqui representa informações compartilhadas em plataformas sob a forma de revisões e comentários anexados a algum tipo de serviço ou produto. Por exemplo, um usuário publica um comentário de um restaurante local na Yelp depois de visitá-lo. Esta informação de texto agora permanecerá na página de Yelp do restaurante e outros usuários poderão planejar
Google Tradutor para empresas:Google Toolkit de tradução para appsTradutor de sites adiante com decisões baseadas na experiência compartilhada. Além disso, os usuários estão habilitados a uma forma mínima de engajamento, avaliando a utilidade da revisão. Esses recursos básicos são compartilhados entre várias plataformas de revisão bem conhecidas, como o TripAdvisor, eBay e a app store e provaram ser altamente utilizados nos processos de tomada de decisão por uma grande maioria dos consumidores on-line, independentemente de reservar um hotel quarto, comprando um carro ou baixando um aplicativo. Em contraste com esta estratégia, bastante estática, o envio de mensagens e compartilhamento em tempo real com foco na entrega de informações de forma oportuna e relevante. Como tal, os usuários podem compartilhar dados de texto, vídeo, imagem ou localização durante sua experiência de viagem. Importante, um aspecto fundamental desse comportamento é que acontece no local, na fase de experiência e, portanto, quase exclusivamente, os dispositivos móveis são usados, pois esses permitem que os usuários deixem de estar ligados a restrições físicas (como o laptop no quarto do hotel) . Por exemplo, as mensagens em formato de texto são preferencialmente compartilhadas através de aplicativos de mensagens como SMS, O que é aplicativo, Facebook Messenger, WeChat e LINE, enquanto as informações de vídeo e imagens são preferencialmente distribuídas por serviços como a plataforma, como Instagram, Facebook ou Snapchat. Além dos dois primeiros métodos, mas considerados como sendo significativamente menos freqüentes, o compartilhamento de localização na forma de "check-ins" permite usos para compartilhar conteúdo em um nível diferente. Para a maior parte, o Facebook e Foursquare são empresas notáveis que utilizam esse recurso. A fim de avaliar ainda mais o papel da partilha no ciclo de viagem, é importante compreender os principais fatores envolvidos nos usuários que decidem compartilhar conteúdo. Para colocá-lo de forma mais simples: por que as pessoas compartilham? Um estudo de The New York Times Insights (n.d.), destinado a aprender as motivações que impulsionam o ato de compartilhar. A pesquisa sugere que haja cinco grandes forças a serem consideradas sobre esse assunto: entregar conteúdo divertido a outros, definir-se para outros, fazer crescer os relacionamentos, auto-realização e apoiar algo com o qual os usuários se preocupam. De fato, pesquisas adicionais sobre o uso de smartphones no cotidiano e nas viagens (Xiang, Wang e Fesenmaier, 2014) apoiaram os argumentos acima e descreveram que os viajantes às vezes se sentem isolados de seu ambiente conhecido durante a viagem e usam a maior conectividade para manter contato via social aplicativos de mídia e mensagens. Além disso, compartilhar a emoção de uma viagem e conseqüentemente receber feedback instantâneo da comunidade não só contribui para obter afirmação de amigos e familiares, mas também aumenta o processo de aquisição de informações no local, pois a comunidade pode comentar com dicas e truques sobre o que fazer em um determinado destino. Não é apenas por causa da conveniência de usar ferramentas de mídia social e mensagens durante a viagem devido ao acesso através de dispositivos móveis, mas também porque os viajantes são amplamente utilizados para esse tipo de comportamento em suas vidas diárias e, como tal, essas atividades se espalham etapas de viagem também (Xiang, Wang e Fesenmaier, 2014). Em suma, o estágio de compartilhamento representa uma parte cada vez mais importante do ciclo de viagem. No entanto, não necessariamente porque os viajantes tendem a gastar mais tempo em refletir sobre suas experiências, mas sim pelo fato de que os desenvolvimentos tecnológicos e consequentemente comportamentais mudaram os canais de comunicação para um nível digital, ao mesmo tempo em que proporcionam menos acesso aos meios de distribuição, nomeadamente dispositivos móveis . Como resultado, o estágio de experiência no processo de viagem está sendo preenchido com ações adicionais, o que aumenta ativamente a experiência no local (através da efetiva aquisição de informações) e, naturalmente, vem com mudanças comportamentais na sociedade de hoje. Na verdade, o compartilhamento em sua forma mais pura foi originalmente usado apenas para digerir experiências realizadas e colocar combustível na fase de sonhos para fornecer inspiração para novas idéias para viajantes em potencial e mudou significativamente com a era da informação digital.

"Contribuíndo com a estratégia de negócios da sua empresa."